facebook :Guia para iniciantes do novo aplicativo de namoro online

Existem pessoas que hoje, mesmo assim, vivendo praticamente na nuvem (internet), ainda apostam na velha escola de amor e relacionamento, que nada mais é do que um olhar direto nos olhos, um carregamento de rosas e corações, ou receba uma carta ou papel com erros ortográficos em sua mesa, com uma nota pedindo para tomar um café.

Quem não recebeu nestes tempos uma vontade de sair comigo?
Tenho certeza de que ainda existe o romântico estranho que se apaixona dessa maneira!

Ainda ouço o riso dos meus amigos, quando um dia lhes disse que havia conhecido alguém no Facebook, e eles apenas desviaram o olhar da minha experiência. Eu realmente não gostei nada, porque acredito que se eu Passo o dia trabalhando em um escritório, e meus colegas e colegas de trabalho são quase como irmãos, nunca pensarei em fazer parceria ou conhecer o grande amor da minha vida. Portanto, comecei a usar esses aplicativos de namoro para me ajudar com esse amor.

Não é nada fácil para mim claramente, porque trabalho de sol em sol, mas estou testando a Facebook dating e a verdade é que estou indo muito bem, já conheci três garotos lindos, até agora em setembro, e isso é apenas iniciar

Quanto ao que as pessoas e os amigos dirão, eles são um pouco céticos, porque não deixam Tinder, que acredita que é algo como um Deus egípcio, mas eu realmente me exaurei. Eu precisava mudar o ambiente e aqui estou feliz no Facebook.

“Não queremos que nos digam o que fazer, queremos sair da bolha e usar nosso próprio motivo, nem queremos ler o que os aplicativos sugerem! Mas confesso que, até analisá-lo bem e não abrir minha mente, não conseguia me conectar nem com um garoto.

Talvez tenha sido o que aconteceu comigo com Tinder, eu precisei amadurecer alguns aspectos que eram obsoletos, mesmo por causa da minha pouca experiência e leitura.

O Facebook Dating é apenas mais uma daquelas opções que estão na web hoje. Após dois anos de design, o aplicativo foi lançado oficialmente no aplicativo móvel do Facebook, embora o processo de registro exija que os usuários optem por criar um perfil. compromissos separados.

Você se registra e responde perguntas sobre si mesmo, carrega fotos e pode vincular diretamente sua conta do Instagram. O algoritmo sugere pessoas com base nas preferências predefinidas de um usuário, juntamente com interesses e eventos aos quais compareceram ou planejam participar, conforme indicado no Facebook. Não há correspondências, basta comentar no perfil de alguém para que a outra parte descubra que você está atrás dele.

“O que o Facebook Dating representa hoje é uma sala única em cada grupo do Facebook”, disse Nathan Sharp, gerente de produto.

O Facebook Dating possui muitos dos melhores recursos de outros aplicativos de namoro, e possui algumas qualidades distintas: o recurso Secret Crush, permite que os usuários selecionem até nove perfis do Facebook ou Instagram a seguir.

 Enquanto isso, os outros aplicativos de namoro apontam, em grande parte, para conectá-lo, se desejar, a estranhos, sem poder prever quais consequências em um nível físico ou psíquico isso poderia lhe trazer. “Quando você conhece um estranho pessoalmente, ou através de um bate-papo, você é realmente vulnerável”, e não há nada que você possa fazer, exceto o tempo. O tempo é necessário para que as coisas sejam diferentes, e você pode relaxar e se mostrar como é.

Se realmente pensarmos nisso, o namoro no Facebook já lhe dá essa tranqüilidade para que, no primeiro contato, o relacionamento flua de uma maneira mais dinâmica e sua mente não se proteja de qualquer ataque possível, mas estará lidando com o que realmente era. fazer nesse site, pois pode ser divertido, ou encontrar uma ótima pessoa por trás do bate-papo.

O Facebook Dating torna mais fácil encontrar amor através do que você gosta, ajudando você a realizar relacionamentos reais através de coisas que você tem em comum, como interesses, eventos e grupos.

O que você precisa saber como a chave do seu sucesso:
Todos podem se conectar e compartilhar histórias no Facebook e Instagram imediatamente, para que você alcance além da pessoa que está procurando, alcance o centro deles, está pronto?

Hoje, pede-se às pessoas que tomem uma decisão sobre se gostam ou não de alguém em quase um segundo, com base em um perfil fotográfico. Portanto, você saberá que os Casais do Facebook fornecerão 100% mais do que apenas essas informações. Você terá em 5 minutos uma biografia escrita por seus próprios participantes e saberá com certeza quem é a pessoa que o voou sem muito desvio.

Deixe seu v

Bem-vindo ao Novo Mundo dos Encontros em 2028

 

How hot

Portanto, uma rapariga entra num bar… Espere, apague isso. Uma rapariga tira o seu telemóvel. Com um
movimento do seu dedo para a esquerda, ela diz que não quer estar com o Alex, de 25 anos, e o Robert, de
48. Com um toque para a direita na foto de James, de 24 anos, já está. O James também tinha carregado para
a direita. Eles conversam, e fazem planos para se encontrarem. Eles estão a apenas 3 quilómetros de
distância, afinal de contas.
Seja bem-vindo ao novo mundo dos encontros. Conforme o uso quase universal de smartphones prolifera e 
conforme as pessoas vão ficando mais confortáveis em revelar a sua localização, uma nova classe de 
aplicações de encontros móveis está a emergir que abrange uma temática tão envolvente como o desejo 
humano.

Os Millennials, cansados com a escola, trabalhos e vidas sociais, dizem que as aplicações poupam
tempo e deixam os utilizadores filtrar os não desejados, apenas baseados nalgumas poucas fotografias,
palavras e conexões do Facebook. Ao contrário dos sítios de encontros de outrora, com perfis intermináveis
para navegar e mensagens grandes para escrever, as novas aplicações oferecem um sentido de imediato e
simplicidade que, de muitas formas, trazem de volta para os bons velhos tempos de simplesmente ir ter com
um estranho bonito e começar a meter conversa.
Tal como potenciais parceiros, existem imensos por onde escolher.

 

Match : Namoro on-line 2015

O ChristianMingle vai “encontrar a correspondência de Deus para si.” A promessa do Hinge baseia-se na
capacidade de conseguir arranjar um encontro com amigos de amigos. O Coffee Meets Bagel, pelo contrário,
só irá apresentá-lo para um único potencial parceiro no final do dia, de todos os dias. O Dattch, com um
interface parecido ao Pinterest, é para mulheres que procuram mulheres. Para homens que procuram homens,
temos o Grindr, Jack’d, Scruff, Boyahoy e muito mais. O Revealer vai deixá-lo ouvir a voz da pessoa e só
depois ver fotos, se ambos estiverem interessados.
A aplicação mais popular actualmente é o Tinder, com a sua interface fácil e simples, bastantes celebridades 
a usar e o aumento de popularidade que conseguiu graças ao atletas dos Jogos Olímpicos de Sochi que o 
usaram para encontrar um parceiro durante os Jogos de Inverno.
O Tinder, como muitas outras aplicações de encontros, pede as pessoas que iniciem sessão nos seus perfis de
Facebook, o que os utilizadores dizem que aumenta um pouco o nível de confiança. O Facebook, afinal de
contas, é construído baseando-se nas identidades das pessoas reais. As suas fotos do Tinder são as suas fotos
do Facebook. Os utilizadores podem rejeitar ou aceitar potenciais parceiros com um toque para a esquerda ou
para a direita. Se ambos tocarem para a direita no Tinder, a aplicação diz “It’s a match!” e o par pode trocar
mensagens.
Como as mensagens só podem vir da pessoa que você tocou para a direita, os avanços não desejados são
imediatamente filtrados. O sistema evita um dos problemas mais vexantes de sítios da Internet de encontros

mais antigos, em que utilizadores, especialmente mulheres, são bombardeadas com mensagens de
pretendentes indesejados. Eles também oferecem uma geração criada no Google e uma oportunidade para ver
o cadastro dos potenciais parceiros.

 


“Se estiveres num bar e um rapaz vier falar contigo, imediatamente vais-te assustar e não vais querer falar
com eles, porque estão bêbados,” diz Melissa Ellard, de 23 anos, que usa o Hinge e diz que não teria ido num
encontro nos últimos 6 meses se não fosse pela aplicação. “Quando estás a usar a aplicação, podes ver a
imagem e informação de fundo. Tu é que decides se queres continuar ou não. Quando eu encontro alguém,
eu quero saber tudo sobre essas pessoas antes de sair num encontro.”
Enquanto ainda são novas, as aplicações de encontros – usadas para tudo, desde encontros de uma noite só
até encontros sérios, e até encontrar novos amigos enquanto se está a viajar – estão a progredir conforme o
uso dos sítios de encontros mais antigos estão a começar a entrar no público em geral. Um estudo recente da
Pew mostrou que 9 por cento dos adultos dos Estados Unidos dizem que usaram sítios de encontros ou
aplicações de encontros móveis, desde os 3 por centro mostrados em 2008. Daqueles que estão num estado
de “solteiros e à procura”, o número salta para 38 por cento, de acordo com o questionário de 2013. O
público tende ligeiramente para o mais jovem, com a maior parte dos utilizadores entre os 25 e os 44.
Claramente, muitas pessoas ficaram confortáveis com o conceito de encontros online tal como as compras,
serviços bancários e marcar viagens através da Internet.

 

Note ainda as lembranças da “arte perdida do cortejo” e o crescimento da “cultura dos encontros fáceis” das

gerações mais antigas, que têm memórias selectivas da cultura de encontros mais analógica da sua juventude.
“Existe um medo digital geral,” diz Glenn Platt, professor de estudos de mídia interactiva na Universidade de
Miami. “As pessoas gostam de rir conforme vêm o Barney de ‘Foi Assim Que Aconteceu’ a ficar com
pessoas baseando-se na aparência. No entanto, tomar esse mesmo comportamento e colocá-lo num contexto
digital tem um estigma associado a ele. Apesar de nesse contexto você ter uma melhor correspondência, mais
informação, e o nome real de uma pessoa.”

Até o Facebook está a entrar na acção, oferecendo um ângulo mais platónico. No último mês, a maior rede
social do mundo lançou uma funcionalidade chamada “amigos próximos”, que deixa ver quais amigos do
Facebook estão próximos de si a um determinado momento.
Apesar da aceitação crescente, o mercado de encontros baseados em aplicações é pequeno. Pesquisas da
firma IBIS World estima que a indústria de serviços de encontros chegue aos $2.2 biliões de dólares de
receita este ano. O conglomerado da Internet IAC/InteractiveCorp tem a maior quota do mercado com uma
percentagem de 27%. A companhia de Nova Iorque tem sítios de encontros tradicionais como OKCupid,Match.com e Chemistry.com.

Tinder. A IAC tem um valor de mercado de $5.2 biliões, menos de
um terço do Twitter.

 


Jared Fliesler, parceiro geral do fundo de risco Matrix Partners, acredita que as empresas começaram apenas
a tocar na vontade das pessoas de “pagar” para receber amor, um fenómeno que se extende bem além das
aplicações de encontros. Afinal de contas, diz ele, os solteiros já gastam imenso dinheiro em mensagens,
bebidas, comida, prendas e tudo mais associado com o jogo dos encontros.
“Apesar de ser uma categoria um pouco difícil para conseguir financiamento de risco, os consumidores
gastam mais tempo, dinheiro, e energia mental em tentar encontrar o amor do que qualquer outra coisa na
vida, e o desejo de ser amado é universal,” diz Fliesler. “Por isso, vai sempre existir procura.”
Criadores de algumas das aplicações mais ambiciosas dizem que apontam as suas miras para aquilo que eles
vulgarmente chamam de “descoberta social,” ajudando as pessoas a fazer ligações de negócios, novos
amigos enquanto viajam ou vão para uma nova cidade. O co-fundador do Tinder, Justin Mateen, insiste que a
sua criação não é uma aplicação de encontros fáceis e não foi criada para facilitar encontros de só uma noite.
Simplesmente não diga isso aos utilizadores do Tinder.
“Eu já tinha usado o Tinder antes de ter encontrado o Hinge e aquilo metia medo, era simplesmente
estranho,” diz Ellard, que vive fora de Boston, tem um projecto, trabalha em vendas de joalharia e corre um
segmento de rádio de moda. “Eu usei durante alguns meses, mas ao invés de encontrar alguém, era algo mais
como uma piada divertida,” diz ela.
Para alguns, no entanto, o Tinder pode ser libertador. Platt diz que a aplicação “equaliza a força dos sexos,” e
nota que ele ouve muitas das suas alunas falar dele como os seus alunos.
“Toda a gente tem o mesmo dedo e a capacidade de fazer clique,” diz ele. “Não é como aquela situação do
rapaz comprar a bebida.”
Jenny Lewin, de 21 anos, é uma aluna de Platt que está a estagiar na empresa Coffee Meets Bagel de São
Francisco, e pensa que é inevitável que as aplicações de encontros entrem na cultura popular, sendo que vão
sendo cada vez mais aceites e as pessoas estarão mais abertas sobre usá-las.

“Eu penso que muitas pessoas dizem que a nossa geração não sabe como falar com as pessoas frente-afrente, que não sabemos comunicar, algo que discordo totalmente,” diz Lewin. “Eu iria carregar muito mais facilmente num ‘coração’ do Tinder ou num ‘gosto’ do Coffee Meets Bagel para dizer que estou interessada  em alguém do que ir ter com essa pessoa e dizer que estou interessada.”